domingo, 23 de outubro de 2011

Frases para um Diário

Dia Zero: Prezado diário, lamento informar que é só a mamãe quem viaja. Você também fica, comigo e com a pequena, que continua radiante com a promessa de presentes. Aliás, ela fez questão de preparar a lista de desejos, pediu para escrever em pequenas folhas de bloco, daqueles que ficam perto do telefone. Todas as frases começavam assim: “Não esquecer...”. A mãe mesmo soletrou e garantiu muitas vezes que se lembra de tudo; a filha comemorou e os desejos foram para a mala. Toda sorridente, a criança disse para mim:

– Pai, agora eu sou sua mãe. (Gargalhei)

Dia Um: Diário ouvinte, ser pãe não é fácil. A corrida matinal contra o tempo é intensa: acordar, tomar café, preparar a mochila, vestir o uniforme, ir para a escola. E depois, não posso fugir do meu trabalho. Felizmente, para ajudar, a pequena está um doce, muito obediente. Mas acordou bastante dengosa. Quis escrever de novo nas folhinhas: “Saudades da mamãe” (com desenhos em volta). Resolvi confirmar se ela tomaria mesmo conta de mim, se eu me tornaria seu filho durante as férias da mãe. Entre muxoxos, ela respondeu assim:

– Não, você é meu papai. (Sorri)

Dia Dois: Rapaz, ela ligou duas vezes. Para mim, na hora do almoço; para a filhota, à noite. Acha que não? Também sinto saudades... Além de perguntar sobre a criança, foi isto que me contou: no primeiro dia, passeou e fez compras. Parece muito feliz. À noite, deixei a menina atender o telefone. Estava ansiosa para falar com a mamãezinha fofinha, tanto que demorou a perguntar sobre os presentes. Quando soube que os batons estavam comprados, abriu um enorme sorriso. Então, suspirou e se lembrou de dizer o seguinte:

– Mamãe, papai tá fazendo tudo certinho. (Chorei)

Dia Três: Sábado de muitos compromissos, cara! Aniversário ao meio-dia e também às cinco da tarde. A titia ficou encarregada de levar a criança para o segundo evento. De manhã arrumei a menina: banho e roupa. Surgiu aí a primeira crise: todas as minhas sugestões foram rechaçadas. Confesso não ter a menor paciência para essa coisa de demorar meia hora para escolher uma blusa. Pelo menos, ela não mudou de ideia depois que se vestiu. No entanto, deixou sua revolta vibrando no ar:

– Da próxima vez, você viaja e a mamãe fica. (Respirei fundo)

Dia Quatro: Pai e filha se divertiram sozinhos hoje. No fim da manhã, progressos importantes: ela aceitou a roupa que escolhi para irmos ao cinema. Almoçamos no shopping. Escolhi uma salada para deixar espaço para os restinhos habituais da criança. Como os pratos demoravam, pedi licença ao garçom para comprar os bilhetes. Voltamos, ela deixou os restinhos e comeu um pudim de sobremesa. Quando “Um gato em Paris” invadiu a tela, a menina não desgrudou os olhos. Reclamei do frio e ela colocou as minhas mãos sob o casaco lilás. No fim do filme, era o xixi que nos apertava... E ela não se importou com a opção do banheiro masculino:

– Eu finjo que sou homem, pai. (Relaxei)

11 comentários:

  1. ahm q doce...
    mal vejo a hora do Klaus e da Rebecca terem esses momentinhos Daddy & Little girl...
    :))

    ResponderExcluir
  2. Gente, a Alice é um doce!!
    Parabéns a vcs pela linda princesa!

    ResponderExcluir
  3. n leio sempre....mas repito...o mino escreve muito legal....megadoro!!!! Muito paizão k lindo!

    Nane sinta-se importante....:-)

    ResponderExcluir
  4. AMOOOOOOOOOOOOO esse blog!!!! E a Alice como sempre saindo com as tiradas certas!!! É muito inteligente, + como ser diferente? Filha de pai e mãe!!!

    ResponderExcluir
  5. Bom pro papai saber como é ser mãe por uns dias... Parabéns pelo texto! Bjs, Sandrinha

    ResponderExcluir
  6. " - Mamãe, papai tá fazendo tudo certinho. (Chorei)"

    Que lindinha!!!! Fiquei aqui imaginando ela falando.

    " - eu finjo que sou homem!" kkkkk

    Adorei como sempre adoro ler as histórias da Alice.

    Parabéns papai! E mamãe volta logo..kkkkk

    :)

    ResponderExcluir
  7. Sorri, Sorri, Chorei, Gargalhei, Chorei feliz !

    ResponderExcluir
  8. Para mim, este texto e mais que poesia, conto. Me parece o relato de um pai desesperado, mas ao mesmo tempo feliz, como a necessidade de ter seus dias de mãe.
    E porque nao dizer agraciado pelo fato "de ser mãe"e tb um pouco filho.
    Afagar e ser afagado.
    Amar e ser amado.
    Acho que sera dificil esquecer este texto ate o dia em que eu "tiver que ser mãe".

    Obrigado pelo conselho e lição.

    ResponderExcluir
  9. Muito bom!!! Adorei!!! Só tem um problema... tá atrapalhando meu trabalho!!!

    ResponderExcluir